Publicidade


Requisitos das Unidades de Conservação na Lei 9.985/00. A lei em seu artigo 22, regulamenta a criação das unidades de conservaçãoPara a lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação essas áreas devem ter estudos técnicos e consulta pública que permitam identificar a localização, a dimensão e os limites mais adequados para a unidade. Confira oito requisitos previstas na Lei para criação, implantação e gestão das Unidades de Conservação, regulamentados pela Lei 9.985/00 no Capítulo IV, Art. 22 e seguintes. 



Requisitos das Unidades de Conservação na Lei 9.985/00.




CRIAÇÃO, IMPLANTAÇÃO E GESTÃO DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA.


1 - Conversão de Unidades de Conservação:


As unidades de conservação do grupo de Uso Sustentável podem ser transformadas total ou parcialmente em unidades do grupo de Proteção Integral.

2 - Consulta Pública


A criação de uma unidade de conservação deve ter de estudos técnicos e de consulta pública que permitam identificar a localização, a dimensão e os limites mais adequados para a unidade.
Na consulta pública é obrigado a fornecer informações adequadas e inteligíveis à população local e a outras partes interessadas.
Mas, na criação de Estação Ecológica ou Reserva Biológica não é obrigatória a consulta pública.




Publicidade

3 - Alteração da área de uma Unidade de Conservação


A ampliação dos limites de uma unidade de conservação, sem modificação dos seus limites originais, exceto pelo acréscimo proposto, pode ser feita por lei.
A desafetação ou redução dos limites de uma unidade de conservação só pode ser feita mediante lei específica. Contudo, esteja atento a jurisprudência sobre o tema nos tribunais superiores.

4 - Limitações administrativas provisórias


O Art. 22-A da Lei 9.985/00 definiu que o Poder Público poderá, ressalvadas as atividades agropecuárias e outras atividades econômicas em andamento e obras públicas licenciadas, na forma da lei, decretar limitações administrativas provisórias ao exercício de atividades e empreendimentos efetiva ou potencialmente causadores de degradação ambiental, para a realização de estudos com vistas na criação de Unidade de Conservação, quando, houver risco de dano grave aos recursos naturais ali existentes, ressalvadas as atividades agropecuárias e outras atividades econômicas em andamento e obras públicas licenciadas.


5 - Atividades vedadas nas Unidades de Conservação



Não serão permitidas atividades que importem em exploração a corte raso da floresta e demais formas de vegetação nativa. A destinação final será definida no prazo de  (sete) meses, improrrogáveis, findo o qual fica extinta a limitação administrativa.


6 - Unidades de Conservação e populações tradicionais


De acordo com o art. 23, serão regulados por contrato, a posse e o uso das áreas ocupadas pelas populações tradicionais nas Reservas Extrativistas e Reservas de Desenvolvimento Sustentável.
As populações tradicionais obrigam-se a participar da preservação, recuperação, defesa e manutenção da unidade de conservação.
Para as populações tradicionais será proibido do uso de espécies localmente ameaçadas de extinção ou de práticas que danifiquem os seus habitats; No uso dos recursos naturais pelas populações tradicionais não poderá ocorrer práticas ou atividades que impeçam a regeneração natural dos ecossistemas; deverá obedecer a lei, o Plano de Manejo da unidade de conservação e o contrato de concessão de direito real de uso.



Requisitos das Unidades de Conservação
by RGS Serra dos Órgãos

7 - Limites das Unidades de Conservação segundo a Lei 9.985/00


Integram os limites das unidades de conservação o subsolo e o espaço aéreo, sempre que influírem na estabilidade do ecossistema, As unidades de conservação, devem possuir uma zona de amortecimento e, quando conveniente, corredores ecológicos, as Área de Proteção Ambiental e Reserva Particular do Patrimônio Natural, não precisam.
O órgão responsável pela unidade criará regras para a ocupação e o uso dos recursos da zona de amortecimento e dos corredores ecológicos de uma unidade de conservação, os limites poderão ser definidas no ato de criação da unidade ou posteriormente.

8 - Gestão integrada e participativa


Segundo o art. 26 da Lei 9.985/00 quando existir um conjunto de unidades de conservação de categorias, próximas, e outras áreas protegidas públicas ou privadas, a gestão do conjunto deverá ser feita de forma integrada e participativa.
A gestão integrada e participativa deverá buscar compatibilizar a presença da biodiversidade, a valorização da sociodiversidade e o desenvolvimento sustentável no contexto regional.

Você pode conferir a regulamentação do tema na Lei 9.985/2000 a partir do art. 22. Ainda sobre as UC's confira 7 fatores para criação, implantação e gestão de Unidades de Conservação.


Fonte:
BRASIL.  Lei 9.985/00 - SNUC - Sistama Nacional das Unidades de Conservção - Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm > acessado 16/02/2017
Fonte
BRASIL.  Lei 9.985/00 - SNUC - Sistama Nacional das Unidades de Conservção - Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm > acessado 09/12/2016



Compartilhe esta postagem em suas Redes Sociais!



Ronaldo G. Silva. Consultor Jurídico de carreira no Poder Legislativo Municipal, Advogado, Biólogo, Pós-Graduado em Educação pela UFF e MBA em Legislação, Perícia e Auditoria Ambiental (UNESA). Prof. com mais de 20 anos de carreira no magistério.


Confira, ao lado, as publicações mais lidas, as categorias e curta a Fan Page do Blog.
Obrigado por sua visita.


Publicações Relacionadas, Sugeridas e Publicidade
data-matched-content-rows-num="2" data-matched-content-columns-num="2"
 
Top